terça-feira, 31 de dezembro de 2013

2 0 1 3/ 2 0 1 4

"Amar, enquanto precisar, que ame!
Então recuse a escuridão; te amo.  Pra que chorar?
Chorar é fim, você existe em mim." Você existe em mim

2 0 1 3 foi um ano agitado pra mim. Tive meu primeiro contato prático com o Direito, conheci pessoas incríveis que me ensinaram tanto da vida, mais até do que minha [possível]  futura profissão, que eu acabei percebendo que não é tão ruim, entendi que o curso de Direito é realmente muito válido e que, eu posso ser feliz com ele e depois seguir outro caminho, se for o caso.
Entendi que sempre é tolice fazer julgamentos antecipados das pessoas, dos lugares, de qualquer coisa.
Que muita gente que eu amei vai ficar pelo caminho, amizades se esgotam e acabam como qualquer coisa que tenha um começo. Minha família é realmente a coisa mais preciosa que tenho aqui. O ano das decepções, com amizades, com o amor, comigo. Conheci a verdadeira solidão. Tomei gosto pela história do nosso país, e por Rousseau. Aprendi que a vida gosta de inverter papéis, quem tanto cuidou de mim, hoje carece dos meus cuidados, carinho, minha avó tão querida...
 Se fosse pra definir 2013, acho que o definiria como o ano perdido, não que tenha sido ruim, mas o ano que me senti mais perdida em toda a minha vida, noites longas e dias curtos. Ano que me senti como um personagem de Clarissa do Érico Veríssimo, chamado Amaro, pois me vi, me senti, me conheci como nunca antes. E de tudo (e por tudo) o que passou, eu só espero que   2014 tenha mais de Deus, porque disso deriva todo o resto; que seja um ano mais feliz, porque ando cansada de tanto choro; então a todos a vocês que acompanham o blog ( outrora DETALHES, agora EPIFANIA) :

New Year 2014
 F e l i z  a n o  n o v o!

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

memórias quebradas


Aktually, mine is broken
 Ela ainda está diante do poço dos desejos, aqueles que ela nem sabe mais fazer, não tem ninguém por perto, ao invés de uma moeda coloca sua cabeça dentro do poço, ouve o som da água, sente o desespero do seu corpo por ar e quando não aguenta mais, sai e respira ofegantemente até satisfazer seus pulmões, e esquece por um mísero momento que sabe o que é o amor agora; do quão grande é o abismo entre o que há no seu coração e a realidade. O amor existe, mas não como o pintam, é preciso aprender lidar com isso, que há outras dores que não estão nos livros, que vão querer lhe quebrar o coração, porém antes que isso aconteça ela vai conseguir afogar as memórias quebradas no poço dos desejos falidos, eu sei que vai, ela e eu ...                                                                                                                                                            
música que fala tanto hoje ... ouça aqui.



quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Simplicidade, a grandeza.

[Ao som de kisses and cake ( outra vez).]

-
(19) TumblrQuem me dera sentir plena a cada dia, sem mutilações,  saudades, memórias cortantes. Ser inteira em tudo o que fosse, e assim encontrar a grandeza do existir.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

confissão de morte

Altezza, fobia, vertiginiComo quem sussurra um segredo, daqueles que ninguém deve saber, eu escrevo esse texto, com a intenção de que ao expor, cuspir isso da minha mente, se desfaça e pareça muito menor, como as ideias de unicórnios e outras fantasias.
Estou com vontade de morrer, sim eu confesso, muita vontade de morrer ultimamente, me sinto exausta de relacionamentos que mentem durar uma vida toda, mas não duram, amizades que nunca foram, amores que oscilam entre o estar bem e o não estar, eu me quebro, talvez eu seja mais frágil do que a maior parte das pessoas, ou, talvez todo mundo seja assim também, eu só conheço o mundo dentro de mim. Sei que, me arrependo de tantas coisas que eu disse, sem querer dizer, coisas que fiz, sem querer fazer, mas não adianta muito, já foi, já está lá no passado gravado, e se, eu não tiver muito cuidado, vou deixar acontecer de novo; sinto saudades de cantar e sorrir, não por um dia, mas ter isso todos os dias, eu sinto alegria, mas não sou mais alegre, sempre tem uma tristeza imensa pairando sobre minha mente e eu queria tanto, tanto, ter controle sobre os meus pensamentos, sentimentos, não queria ser uma pessoa tão emotiva que se abala tão facilmente e sente a vida tão intensamente, seja no bom, ou no ruim. Oh céus, devo estar com a alma gripada, perrengue, porque, ultimamente, eu tenho tido tanta vontade de desistir de tudo, não voltar pra casa, largar a faculdade ou terminar meu namoro, mas da vida em si, de mim. Me sinto fraca e imóvel, enquanto tudo o que tenho tentado é ser forte e correr nessa corrida em busca do alvo que é Cristo, porém me desfaleço e tudo o que eu realmente sinto é vontade de dormir e acordar no céu, com Deus, sem horários, brigas, choro, dor. Só Ele e eu, pra sempre. É como, se minha mente cansada estivesse no limite de tantos altos e baixos, e dessa vez eu nem me envergonho de confessar isso, é bom que alguém saiba que eu não sou/estou, como devia estar.

domingo, 8 de dezembro de 2013

7º período

PeopleO final do 7º período também chegou. 
Com essa etapa, eu entendi que meus domingos não são mais os mesmos de quando eu morava na casa dos meus pais, agora eu sou responsável pelo meu próprio almoço e se eu resolver estender o sono, vou me atrasar para a prova do concurso e ter que comer qualquer coisa, que seja, qualquer coisa mesmo e sem direito a reclamações, porque a culpa é toda  minha. Descobri que algumas noites eu vou desejar ter alguém quando abrir a porta de casa, não uma colega, não qualquer pessoa, mas alguém que eu ame e deseje seu abraço com o fim de descansar meu coração, mas não terei.
 Nada é fácil, se eu resolvi estagiar e estudar, que entenda que meu tempo será escasso para estudar e as madrugadas agora não são exclusivas do sono; que a cada escolha uma renúncia é feita e eu posso machucar a quem não queria com isso, mas é preciso escolher de vez em sempre. E graças a Deus, está acabando mais um período do curso de Direito, e dessa vez eu nem vou reclamar do curso, porque de uma maneira ou outra é o que eu tenho em mãos e está sendo tão difícil chegar ao fim, que comecei a olhar com outros olhos. Nem vou reclamar de nada, porque não vale a pena. Que Deus me guie e fim.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

nostalgia

'Pasmei ante minhas misérias cardíacas,como um soldado ante o terror da morte.
Fiz tantas promessas de que não pensaria mais nele,menti a cada uma delas e o choro é só uma forma de gritar que eu não sei mais o que fazer,sentir ou pensar.O não saber é uma ferida aberta que dói,queima,mata.Me perdi naquele abraço de um jeito que não estava preparada,talvez estivesse apaixonada,mas como já aprendi em outros tempos,isso não basta,porque o amor é uma via de mão dupla e fim.'

(texto antigo,mas ainda meu.)