sábado, 1 de outubro de 2011

delírio pré-pós você

Juras & Promessas


Já é tarde e estamos mais uma vez,na mesma cama torcendo para que essa seja a noite que não tenha fim...Embora,apoie meu corpo sobre meus braços, e note que talvez,eu seja a única aqui que ainda não escorregou no sono;contudo,não faz mal,porque assim posso pensar melhor sobre mim,nós ou seja lá o que for que quiser pensar nesse intervalo da lucidez...
É estranho pensar naqueles textos românticos que li durante minha vida inteira,e no que estou vivendo agora.
Não que você não seja romântico,ou o momento,não é isso...o ponto que tento abordar aqui,enquanto olho pra esse teto branco iluminado pela camada de luz vinda do poste do outro lado da rua;é que o amor não pode ser descrito como acreditei ser possível antes de te ter;pois sempre busquei a regra a ser seguida nos meus textos,planos,encontros,acasos...as letras teriam de seguir uma direção que indicava um ‘felizes para sempre’,mas vejo que isso foi um prelúdio até chegar onde está você;afinal o ‘felizes’ e o ‘sempre’ estão bem aqui,embora sem ordem,hora marcada ou definições.
É isso!o amor não é só cego,mas mudo.Não se define,classifica ou anuncia.
Chega de mansinho no quarto,cobre seus pés a noite e senta-se do seu lado,outro dia começa a tomar banho com você e a dormir na sua cama,quando menos se dá conta está dentro de você,de um modo tão intenso e absolutamente sólido,que deixa de ser parte de você,para ser você todo.Você passa a respirá-lo,senti-lo agudamente,a não mais se distinguir do que ama;sofre transformações,mutações...ampliações...
Tudo tem então seu valor invertido,pois o mundo tomba de ponta cabeça e as cores se misturam onde nem habitavam no período pré-você...
É,os ditados populares tem mesmo algo importante para ensinar:Os opostos verdadeiramente se atraem.
E nesse caso talvez,nem haja analogias satisfatórias...
[...]
O soul que toca no rádio está no fim,assim como meu delírio pós-você que  o acompanha na partida;
enquanto meu sono dá as boas vindas para meu corpo que agora se funde ao seu,querendo não mais acordar desse sonho bom...

[Ao som de Adele]

4 comentários:

  1. Olá Denise!

    Adele realmente te trás muita inspiração hein?!
    Lindo demais este texto. Tão apaixonante, de palavras envolventes como uma balada romântica.


    Abraços meus, e um bom domingo a ti!

    ResponderExcluir
  2. Olha que lindo Denise!
    Amei o texto...realmente,o amor chega de mansinho e sem que nos demos conta ele nos toma inteiramente de modo tão arrebatador que não se pode resistir,apenas aceitar e aproveitar...
    Lindo,lindo,lindo!
    Parabéns pela inspiração...ou será que devo dizer pelo amor?
    rsrsrs
    Beijos e uma ótima semana pra vc

    ResponderExcluir
  3. Perfeito!

    Acho que não tem outra palavra para definir esse texto.

    Consegui escrever toda a tensão e insegurança que temos em um amor novo ou até antigo, mas com o(a) companheiro(a) inconstante.

    ResponderExcluir
  4. Oi Denise,

    Nossa, meu texto preferido dos seus agora; oficialmente *--* O texto se desenrolou facil e sensivel sabe? Lindo, e perfeito. Me apaixonei por ele. De verdade *.*

    "é que o amor não pode ser descrito como acreditei ser possível antes de te ter;pois sempre busquei a regra a ser seguida nos meus textos,planos,encontros,acasos..." - completamente lindo Denise. Parabéns ^^

    ~> Beijusss...;*

    ResponderExcluir

Saber o que acha é um prazer,obrigada por sua opinião!