quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Estrelas e o céu

O texto não é sobre estrelas e o céu, poderia ser, seria mais bonito se fosse, mais poético e brilhante, mas é sobre uma coisa opaca e insonsa, quase adormecida  e sem utilidade aparente, como... um último pino do boliche que permanece ali parado, esperando que a bola o acerte em cheio. Não faz muito sentido racionalizar algumas coisas, veja bem, já se foram todos os pinos do boliche, mas o último se derrubado solitariamente, é tão emocionante, ele arranca uns gritos lá do fundo da garganta e gestos eufóricos de alegria. Por que boliche agora? Eu não sei, estava pensando em coisas paradas e lembrei do último pino. Acho que eu sou um último pino do boliche em grande parte do tempo, aqui parada esperando a vida me arremessar e pronto. Mas em outras vezes eu sou uma borboleta que paira bem devagar sob os girassóis e consegue transformar aquele mísero instante em eternidade. Também sou estrela que brilha, mas já morreu faz tempo. Sou tanta coisa e tão pouco ao mesmo tempo. O infinito é cada pessoa. Já pensou nisso? Não faz nenhuma diferença se pensou ou não. Na verdade o texto não é sobre estrelas ou sobre o céu porque faz tanto tempo que não olho pra eles, esses dias me perguntei se quando eu for lá fora ainda existirá um céu e estrelas, será que sim? Algumas coisas que colocamos como essenciais na nossa vida, acabam por ser uma espécie de trepadeira, daquelas que nos livros de biologia aparecem sugando a vida das flores. Eu não sei o nome dessas plantas, eu sei que elas parecem poder coexistir numa boa com o que já estava ali, mas no final das contas elas sugam as outras, até que elas percam totalmente sus forças. Alguns sonhos meus ultimamente tem sido essas plantas, não dá pra arrancar, eu não sei o que fazer com eles na verdade. Talvez colocar menos adubo, ou fortalecer a planta que estava antes, é, talvez seja uma boa alternativa. O que eu sei é que eles tem crescido e se fortalecido ao ponto de ameaçarem com as mãos no pescoço minhas outras plantas, e  a pior parte é que essas plantas descontroladas, sempre ameaçam a vida das minhas flores, as mais sensíveis porque elas se rendem fácil. Essas flores mais sensíveis, houve um tempo em que não achava que fossem importantes, mas com o passar do tempo, percebi que são elas que alegram meus dias, com seus detalhes e perfume. Faz tempo que não as visito. Enfim, a gente nunca sabe o que uma semente pode se tornar quando ela cai no chão, mas logo ela se revela e cabe a nós, só a nós, decidir se ela fica ou não no nosso jardim particular... Talvez, seja tempo de voltar lá fora e conferir se ainda há um céu com estrelas pra mim.

* Uma canção para te abraçar por mim ( é só clicar no nome que ela vai tocar): Café com Pão - Maglore

domingo, 15 de outubro de 2017

Sobre a perseverança dos santos

" E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção." Efésios 4.30
-
Ser um cristão consiste em aprender cada dia mais sobre a essência de Deus, pois Ele é tão complexo e inatingível para um humano que é impossível que tenhamos completa consciência de quem Ele de fato é, nós temos um acesso limitado ainda, mas chegará o dia em que os cristãos estarão diante Dele e poderão o ver e perceber em sua plenitude. Enquanto isso, resta-nos o desafio de perseverar e insistir no conhecimento Dele.
Faz pouco tempo em que meditava nas escrituras e me deparei com uma verdade que eu já sabia, mas por alguma razão brilhou novamente com intensidade para mim e me motivou a compartilhá-la aqui no blog, porque talvez alguém também possa sentir esperança e segurança, como eu fui alcançada.
A palavra perseverança sempre me fascinou, porque é tão mais fácil desistir ou concluir algo, no entanto conjugar o verbo perseverar é muito difícil, o processo entre o início e  o fim das coisas é o mais sofrido e é nele que muitas vezes me perco. Então perseverar é o verbo que de certa forma me move já faz um tempo, e tudo o que o envolve me encanta, porque desafia e inspira a não o esquecer.
A própria bíblia tem um destaque para a perseverança, cada um daqueles que ousou andar com Deus, teve que perseverar, desde Abraão a Paulo, cada um desenvolveu a perseverança. Mas em que consiste a perseverança dos santos? Seria não errar? Com certeza não, porque isso de fato é impossível ao ser humano. Essa questão da essência da perseverança dos santos me provocou a buscar uma resposta e ela foi a seguinte: "essa perseverança dos santos não depende do livre-arbítrio deles, mas da imutabilidade do decreto da eleição, procedente do livre e imutável amor de Deus Pai, da eficácia do mérito e intercessão de Jesus Cristo, da permanência do Espírito, da semente de Deus neles e da natureza do pacto da graça, de todas essas coisas, vêm a sua certeza e infalibilidade." ( A confissão de fé de Westminster, cap. XVII, II). O que consiste em dizer que essa perseverança que o cristão tem, não depende em nada de seu esforço próprio, contudo repousa completamente na aliança que Deus fez com o homem, através do pacto da graça. Para quem nunca ouviu falar disso, em outras palavras, acontece que a perseverança dos santos é inerente a Deus, é por Ele e por sua perfeição que é gerado no coração dos eleitos a capacidade de perseverar na fé em Cristo Jesus.
Outro ponto muito importante que gostaria de ressaltar, é que a perseverança dos santos não é visível humanamente em todo o tempo, pois é possível que aqueles que são chamados, os eleitos de Deus, é totalmente possível que eles durante algum tempo de suas vidas, sejam seduzidos e cativados pelo pecado, que tenham o seu coração endurecido e sua mente perturbada e vivam como os seres humanos que não conhecem a Deus, e por isso sejam entregues durante um momento passageiro a juízos decorrentes de suas ações, no entanto por sua graça e misericórdia, Deus atrai novamente aos seus braços de amor e revela mais uma vez como não há mérito nenhum na natureza humana, pois todo o bem procede Dele e por meio Dele que o ser humano pode realizar alguma boa obra.
Nesse sentido, a confissão de fé de Westminster (cap. XVII, III) afirma: "Eles, porém, pelas tentações de Satanás e do mundo, pelo predomínio da corrupção restante neles e pela negligência dos meios de sua preservação, podem cair em graves pecados e, por algum tempo, continuar neles, incorrem, assim no desagrado de Deus, entristecem o seu Santo Espírito e , em alguma medida, vêm a ser privados das suas graças e confortos, têm o seu coração endurecido e a sua consciência ferida, prejudicam e escandalizam os outros, e atraem sobre si juízos temporais."
Diante de tudo o que foi falado, é possível concluir que a perseverança dos santos é uma ação de Deus no ser humano que foi chamado e eleito para a redenção em Cristo Jesus, não existe nenhuma forma de mérito em perseverar no evangelho no próprio ser humano, toda a glória e honra pertencem somente a Ele. Não há como dizer que alguém tem mais mérito do que outro por aparentar uma fiel perseverança, pois somente Deus conhece o coração do ser humano, é totalmente possível que pessoas que frequentem igrejas estejam tão distantes de Deus, quanto qualquer outro. Não se engane, a religiosidade não diz nada sobre intimidade com Deus, é preciso buscar a Deus de forma sincera a fim de que Ele não se entristeça conosco.
Que a perseverança dos santos nos mantenha firmes na fé em Jesus e nos incentive à uma verdadeira busca por mais Dele e menos de nossa própria natureza pecaminosa que deseja o mal insistentemente e em todo o tempo. Não há mérito nenhum em nós mesmos, que Ele seja exaltado e adorado para sempre, amém.