domingo, 27 de dezembro de 2015

Girassóis e recomeço de uma velha história

_ Alô.
Ouvir sua voz foi como estar ao seu lado outra vez. Seu timbre inconfundível fez meus olhos fecharem automaticamente, refletindo em minha mente você, parado em minha frente, movimentando os lábios e esticando aquele sorriso irônico do lado da boca, que só você sabe fazer. E aqueles dez anos que se ergueram entre nós, nos afastando por caminhos distintos, foram desfeitos como fumaça. E meu coração pode respirar o ar puro outra vez, com cheiro de renovo, de girassóis.
_ Alô? Alguém na linha?
_Oi, quem é?
_ Quem é que está falando?
Eu sorrio, é claro que você sabe quem está falando. Eu sei quem é. Sempre saberia, ainda que se passasse muito mais que muito tempo, eu poderia reconhecer sua voz e possivelmente ela ainda teria o mesmo efeito sobre mim.
_ O que você quer? Já faz  tempo que...
_ Você está em casa? Preciso sair mais tarde, pensei em passar aí para te ver um pouco.
Me pergunto como pode simular que o tempo não passou, que ainda somos os mesmos daquela época, que não houve mais ninguém. O estranho é que, não parece ter mudado nada. Somos só nós dois, nossa velha cidade, nosso caso mal resolvido e minhas emoções descontroladas.
_ Ahn, sim, estou em casa... Pode vir.
Eu não acredito que disse que poderia vir, como posso ter me esquecido das noites que chorei até dormir, e dos diários queimados por sua causa? E aquela história de que estava com outra mulher enquanto saía comigo? De toda aquela enrolação para me dizer algo que nunca foi dito?
De todas as viagens em que deitei no seu ombro, todos os filmes vistos segurando sua mão, nossas conversas infinitas e olhares que só nós dois podíamos entender, como esquecer da nossa foto juntos de quando éramos bebês roubada por você? De cada conversa amiga que só você poderia me oferecer quando meu mundo caía? Das nossas músicas juntos? De cada briga finalizada em gargalhada?
A verdade é que sempre fomos os melhores amigos, e você deveria ter gostado de mim. Aquela vez que me buscou para irmos ao baile, realmente eu estava linda, e era pra você. Todos pensavam que éramos um casal, e éramos, mas de amigos. Essa sempre foi sua resposta. Mas eu te amava.
No dia que resolvi te contar isso, que não éramos mais amigos, você me abraçou forte, como nunca antes, beijou minha testa e disse que tudo ficaria bem, que éramos irmãos. Pode se lembrar? Ou eu devo me lembrar! Como posso ter dito pra vir?
Eu decidi seguir em frente, conheci pessoas, me apaixonei, tive namoros, noites, histórias e construí memórias. Acreditei estar muito mais forte e imune a você. Nossa amizade se definhou quando partimos de nós mesmos.
Já faz tanto tempo, já imaginei te encontrando tantas vezes. Com um namorado talvez, com os amigos, na rua, no shopping, no parque. No entanto, não nos encontramos. E cá estamos no lugar de partida. Cada um por seus motivos, e ainda que os números de telefone tenham mudado, aqui é impossível se perder. E é por isso que talvez tenhamos os dois retornado, para nos achar.
Tudo o que sei, é que você me ligou. E não sei como vou reagir ao te ver. Ao te olhar nos olhos. Naquela época você me pediu para não cortar o cabelo, e foi justo ele o meu alvo. Ficou horrível, era o meu reflexo. Hoje meu cabelo está enorme. Tenho tantas coisas pra te contar, para te perguntar. Tanta vontade de me enlaçar em você e afogar essa saudade.
flowersDe todos eles, nunca pensei em outra pessoa a não ser você. Mas disso você não precisa saber. Ou deveria dizer já que não somos mais aqueles adolescentes inseguros?
_ Posso entrar? Abre a porta logo, sou eu! Trouxe girassóis.

-

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Saber o que acha é um prazer,obrigada por sua opinião!