quinta-feira, 14 de agosto de 2014

amor e outras considerações




Insisto em falar sobre o amor porque ele também insiste em nós. Insiste em nos ludibriar com sua imagem cândida e frágil. Mas cá entre nós, no amor não há nada disso. O amor é perigoso, traiçoeiro, insone e convencido; pensa que vem antes das refeições, sono ou qualquer outro pensamento. Os velhos bordões de 'eu não aceitaria' não se aplicam aos casos concretos, tirei isso de um observatório social... No amor, não há antídoto, nem emplasto ( viu Machado?). Quando se ama, aprende-se a viver o sim. As questões afetivas influem muito mais na sociedade do que as políticas...  Somos mulheres e homens que acreditam que podem vencer o amor. O amor não se vence, se deixa vencer. Se mata e se morre por amor, tudo ao mesmo tempo, literalmente ou não. Alguém está sendo vítima e réu em algum lugar, agora, e claro, em nome do amor... Por pouco tempo há paz no amor, porque sua essência é guerra, sangue jorrando pelas entranhas, e um grito de dor ou prazer ecoando, e-co- an- do ...

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Saber o que acha é um prazer,obrigada por sua opinião!