sábado, 30 de abril de 2011

Ausência

P.s:Texto diferente dos que costumo postar aqui no blog,conto com a opinião de vocês ok?! ;)


“Todos nós estamos presos do lado de fora de um abraço.”
(André - mini-série Afinal,o que querem as mulheres?)

Google
A claridade sem luz.
A música sem som.
A cama sem sono.
Eu sem você.
É madrugada, danço com sua ausência por entre as lacunas da dor.
Sobre os pedaços do que fomos,
E que não mais seremos...
Afinal,
Mergulhamos sem saber se haveria uma rede no fim para nos amparar,
E realmente não havia...
O lodo da melancolia se agarrou a minha pele.
O véu da amargura cobriu meus olhos.
Não sou mais a mesma que esteve com você.
Perdi as melhores partes de mim no caminho até aqui;
Aprendi a fumar,
Não por prazer,mas pelo desprazer de viver.
Aprendi a beber,
E a usar um vocabulário tão vulgar que te assustaria se ainda pudesse me ouvir.
Meu corpo traz as marcas do descuido,
Do abandono que me envolve a alma.
Agora prefiro o realismo ao romantismo...
E partindo disso,
Não vou mais me exceder,
Você não vai voltar,e não posso fazer nada quanto a isso...
Prometo a mim mesma que essa é a última noite que não dormirei,
Que amanhã lavarei o corpo e a alma,
E principalmente agirei conforme as expectativas alheias,talvez isso me ajude a encontrar a minha própria.Porque ela?!Ah! Minha expectativa de dias melhores me abandonou quando seu corpo frio se deitou naquela cova...
Hoje sei que não existe vida após a morte,
Ao menos não para quem ainda ama...

sexta-feira, 29 de abril de 2011

A morte viva


"O pensamento da morte não tem nada de fúnebre,como pensam os supersticiosos.
Nada tem ele a ver com a morte e sim a com a vida;
É ele que empresta a cada instante nosso este preço único,todo esse encantamento agradecido que os tímidos desconhecem...
A morte é o aperitivo da vida."
Google
 -Mário Quintana-

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Devaneio

imagem do Google

[Antes procurava saber quem eu era.
Hoje,procuro me conformar com a resposta;
e principalmente com o que falta dela.]

Não há nada em especial para ser dito,a vida continua no mesmo ritmo
de adicionar e excluir contatos,de gostar e não mais gostar,de amar e odiar...
Sempre tão próximos os extremos;oscilo entre o ideal e o real,o ser ou não ser,o sim ou o não.
No entanto,ainda me pergunto como seria viver no equilíbrio...
 Por um instante apenas,queria parar de viver,com a certeza de que logo tornaria com a resposta que tanto anseio,saber o que existe  por trás do espelho,conhecer e apalpar o vácuo do não existir;e então acredito que saberia lidar melhor com o que sou,ou tenho,afinal,tenho ou sou um corpo?Uma alma?Uma vida?Enfim...
Sabe-se lá!
*Enquanto o relógio acaricia o tempo,tento dançar nas bordas da insanidade,e ao me cansar,retorno (ou assim penso) a vil,crua e hostil reali,sani-dade.


domingo, 24 de abril de 2011

Apenas saiba que,

"Isto é a vida; não há planger, nem imprecar, mas aceitar as coisas integralmente, com seus ônus e percalços, glórias e desdouros, e ir por diante."
Machado de Assis (Teoria do Medalhão – Diálogo – in Papéis Avulsos)


[ não vale a pena parar no caminho,
muito menos olhar para o que,
ou quem ficou...
 S  I G A sempre em frente.
Afinal,
 isto é o que chamam de vida!
Algum dia saberemos se valeu a pena,
ou não...]

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Selo *-*


Vejam só!
um selinho pra alegrar o cenário *-*
o presente veio dos Blogs :

Pra quem não sabe:
Com o Prêmio Dardos se reconhece os valores que cada blogueiro mostra cada dia em seu empenho por transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais etc., que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras.E tem três regras:
* Exibir a imagem do selo no blog.
* Exibir o link do blog que você recebeu a indicação.
* Escolher 10, 15 ou 30 blogs para dar indicação, e avisá-los.

E os blogs que indico sãaaao :
=D
















"Os poetas constroem castelos no ar,
os loucos moram neles,
e alguém na vida real cobra o aluguel."

(FABRA,Jordi Sierra, 
Kafka e a boneca viajante,
ed. Martins Fontes,2008)

domingo, 17 de abril de 2011

Sobras


O espelho reflete o que não mais existe.
O eco responde ao que não perguntei.
Me perdi no meio do caminho,
Quando resolvi soltar sua mão...
A minha esperança se vendeu por um preço simbólico.
Minha vida se fez nisso, 
o mais ou o menos já não importam...
Minha sombra se foi atrás dos velhos ideais...
Me deixando apenas pedaços mofados do que um dia me lembro de ter sido...

terça-feira, 12 de abril de 2011

Bons tempos.


"Não pense que um dia especial 
é necessário para você ser feliz – 
apenas uma mente especial. 
Não tem nada a ver com o tempo;
 tudo depende da atitude, 
de como você olha para a vida.” 
Osho

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Embalo


"Onde quer que estiveres
Entregue ou fugitivo
Verás o que não queres
Na morte e no estar vivo

Onde quer que banhares
A carne e os pensamentos
Virão de outros lugares
Banhar-te outros momentos

Onde quer que dormires
Será teu sono prece
Que sobe em arco-íris
E sem que alcance desce."

Afonso Félix de Souza.



domingo, 10 de abril de 2011

L I B E R D A D E



"...Liberdade,essa palavra
que o sonho humano alimenta
que não há ninguém que explique
e ninguém que entenda..."
( Romanceiro da Inconfidência - Cecília Meireles)

“Você é livre no momento em que não busca fora de si mesmo
 alguém para resolver os seus problemas.” 
 Immanuel Kant


Ser livre,
utopia ou fato?

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Prelúdio.


A música que toca,me lembra que ainda estou viva.
Apenas viva.
Viver implica sentir?
Ou é apenas uma escolha?
Por que se a segunda opção estiver correta,
Escolho não sentir.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

É preciso ver o luar...





A gente precisa ver o luar

(...)
Do luar não há mais nada a dizer
A não ser
Que a gente precisa ver o luar.
Que a gente precisa ver para crer
Diz o ditado popular.
Uma vez que existe só para ser visto,
Se a gente não vê,não há!
Se a noite inventa a escuridão,
A luz inventa o luar.
O olho da vida inventa a visão,
Doce clarão sobre o mar.
Já que existe Lua
Vai-se para a rua ver,
Crer e testemunhar.
(...)

Gilberto Gil

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Declínio

"Tenho trabalhado tanto, mas penso sempre em você (...). Se não dormisse cedo, nem estivesse quase sempre cansado, acho que esses pensamentos quase doeriam e fariam 'clack' de madrugada e eu me veria catando cacos de vidro entre os lençóis."

Caio Fernando Abreu

terça-feira, 5 de abril de 2011

memória


Abundância de rastros
que não se cancelam
Fascinados pelo assombro
De atravessar as esperas
Com seus passos absortos
Subindo pelas artérias
Em busca de outro corpo.

Vera Lúcia de Oliveira


sábado, 2 de abril de 2011

F U M A Ç A



Nota da autora 1 : Estilo totalmente diferente de textos que costumo postar aqui no blog,espero que curtam.

Nota da autora 2: Eu sei que é grande,mas faça um esforço e leia até o final.



Faz pouco tempo que ela adormeceu.
Apoio o peso do corpo sobre o cotovelo direito e deixo meus pensamentos devanearem diante dessa onda de espasmo que sinto agora,só por tê-la tão perto do meu corpo,nua,desprotegia,tão frágil...minha.
Fecho meus olhos,mas ainda assim contemplo sua face tranqüila nas pálpebras descidas.
Ela não se importa com minhas tatuagens,parece gostar;sinto ainda seu toque em minha pele,percorrendo linha por linha com a ponta dos dedos,incendiando-me...ela sim,consegue me enlouquecer.Minha barba mal cuidada não parece a incomodar,o que me deixa muito feliz;a umidade de sua boca ainda não secou e levo a mão para senti-la mais uma vez.
Rita,estranha,mas incrível!
Seus pés estão descobertos;sem me dar conta do movimento já estou sentado na cama para cubrir-lhe; suas unhas estão cuidadosamente pintadas de branco ( o que não diz muito a seu respeito).Volto a posição inicial,observando com cautela seu sono leve.Ao gesto de cuidado ela sorri sutilmente ,noto que talvez não esteja adormecida realmente,que possa estar me observando.
Coloco a cabeça no travesseiro,encaro o teto com a esperança de a flagrar abrir os olhos ( o que não acontece).
Não tenho mais domínio sobre o sono,o celular pisca no criado mudo do lado onde ela dorme,não vou me levantar para olhar as horas,de que importa saber as horas quando  a eternidade se abre ante meus olhos agora?
Acaricio seus cabelos e confesso a mim mesmo que não posso viver sem ela,seu cheiro cítrico,me lembra a madeira molhada;seus olhos ainda com manchas negras da maquiagem rápida ( já desfeita);sua boca macia pregada no rosto jovem;pele unhada que abriga espinhas,resquício de seu pouco tempo de vida ou mesmo do seu desmazelo com o corpo...É tão linda...Como resposta ao meu conversar interior,um sorriso brota em sua face (daqueles que os dentes aparecem) e mesmo sem abrir os olhos ela se aninha em meu corpo,suas pernas se enroscam nas minhas,suas mãos quentes roçam meu peito que denuncia as batidas aceleradas do meu estúpido coração.
Sugo todo o ar que posso,me delicio com seu aroma (agora bem mais acentuado pela proximidade de seus cabelos do meu nariz).Jogo meus braços sobre seu corpo com cuidado,mas firmeza e, finalmente fecho os olhos,chamo pelo sono e digo a ele que me sinto completo para deixar mais um dia.