segunda-feira, 4 de julho de 2011

semelhança (s)


Já é tarde.
As ondas açoitam o barco,assim como meu coração.

Estamos no meio do grande mar,a sentir o ímpeto do vento contrário,o medo de sermos jogados para a escuridão que nos procura.

Então,avistamos a figura de um homem sobre o mar,o qual só pode ser um fantasma,pois que homem poderia andar sobre as águas turbulentas? E mesmo que pudesse,quem o faria por nós ( por mim) ?
(São nesses momentos de desespero que noto a solidão dentro do meu ser em meio a tantos corpos igualmente amedrontados pelo que chamamos VIDA.)
Já afogado entre meus medos e fortalezas,ouço uma voz que diz:

_Sou eu,não temas!

(Como acreditar em uma voz alheia,sendo que mal posso acreditar em mim?! Preciso ter certeza de que é realmente o Mestre,e se o for,que me permita ter com ele...)
Um turbilhão de vozes são silenciadas pela voz,que só me responde com um simples,porém poderoso:

_Vem.

Olho para a água,se é meu Senhor irei! Então caminho por sobre as águas com os braços estendidos para a figura do homem,com uma sensação tão boa que mal posso explicar,Cristo é meu foco e nada pode me tirar o que estou a sentir agora,até que...pensando bem,o vento está forte demais,e meu medo está me subjugando e me puxando para dentro do redemoinho das minhas dúvidas me fazendo naufragar completamente...Salva-me Senhor!Salva-me...
Sinto sua mão na minha me erguendo e me fazendo sentir toda a vergonha,angústia e tristeza por ter falhado.Com uma voz que reflete um amor denso demais para alguém como eu,ouço-o dizer:

_Por que duvidaste?

(Por que? Por que? Por que? Sinto tanto Senhor,acreditar é tão difícil para mim quanto não acreditar...Preciso aprender a te olhar como Tu és,e não como sou;mas minha mente acaba deturpando sua imagem com a minha própria e então sou pego pelo redemoinho das dúvidas que me trazem para o mesmo fundo...)

Com olhos amáveis e mãos afáveis fui conduzido para o barco e soube que ele entendia o transtorno interior que eu enfrentava,e sua resposta foi a mais doce e perfeita para meus argumentos silenciosos,ele apenas segurou minha mão; e então eu soube que isso é tudo o que preciso por todo o sempre,encarar seus olhos e não soltar minha mão da Dele jamais...

Pedro.

5 comentários:

  1. Poxa Denise,que texto lindo e tocante.Seja lá quem for esse Pedro parabenize-o por escrever tão bem e coisas tão lindas.
    "Preciso aprender a te olhar como Tu és,e não como sou;mas minha mente acaba deturpando sua imagem com a minha própria e então sou pego pelo redemoinho das dúvidas que me trazem para o mesmo fundo."
    Precisamos mesmo parar de olhar pra si e olhar pra Deus,pois é nEle que devemos estar sempre...
    Lindo demais!
    Parabéns pela escolha.
    Beijos e uma ótima semana

    ResponderExcluir
  2. Olá Denise!

    Belas palavras, uma veia religiosa onde
    é demonstrada fé e gratidão.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Conhecendo e já seguindo seu blog
    uma excelente postagem.
    Convido a conhecer meu blog e seguir se gostar.
    Lindo dia beijos no coração,Evanir.

    ResponderExcluir
  4. °°°Nossa Denise texto Perfeito!

    ResponderExcluir
  5. obrigado por nos proporcionar o prazer de ler um texto como este Dê...
    já ouvi essa narração tantas vezes, mas só agora compreendi o seu verdadeiro sentido *--*

    beeijo.

    ResponderExcluir

Saber o que acha é um prazer,obrigada por sua opinião!