sexta-feira, 27 de maio de 2011

Escritos desvairados ( parte I)


Google

Numa manhã estranha,
Lá estava eu a olhar o fim
E eu simplesmente não me via lá.
Ele estava além de mim.

Como num conto de fadas
Com um final invertido,
Meus castelos foram caindo
E o final feliz foi esquecido.

Caindo sobre os escombros
Da história de minha vida,
Fui mais uma vez me refazendo
De uma lembrança perdida

Numa poesia de versos vazios
Num mar de agonia sem sentido
Meus argumentos se perderam
Sem ao menos serem ouvidos.

E em algum lugar, estava a verdade.
Gravada com o fogo dos desesperados
Que me diziam coisas tão certeiras
Através de alguns escritos desvairados.


Poesia do amigo blogueiro : Canata - Escritos Desvairados

6 comentários:

  1. Olá Denise, adorei essa poesia do Canata.
    Parabéns aos dois.

    Beijos e um excelente final de semana,
    Caio

    ResponderExcluir
  2. Esse Canata.... abrilhantando até os blogs vizinhos.... muito bom!
    Denise, tu teve bom gosto viu! ótimo post!

    bj

    Catia

    ResponderExcluir
  3. Olá Denise!

    Sinto-me muito honrado por ter uma poesia minha postada em seu blog. Um blog que admiro e acompanho sempre!!

    Agradeço o carinho e espero retribuí-lo sempre com muita poesia!

    Bjs!

    Canata!!!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, que linda poesia!
    Com ela conseguimos sentir nitidamente a desconstrução da vida e da felicidade do eu-lírico.
    Adorei!
    Beijos,
    Bela.

    ResponderExcluir
  5. Olá Denise!
    Parabéns pela bela escolha para postar,
    e parabéns ao nosso amigo Canata,
    que nos concedeu esse belo poema.
    Sempre nos trazendo uma boa leitura e nos inspirando para seguir em frente.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Denise! Obrigado pela visitinha ao meu blog em 07/05. Desejo-lhe um excelente domingo. Quando puder, apareça novamente. Eu, com certeza, estareia aqui, neste maravilhoso espaço, acompanhando, de perto, o seu excelente trabalho. Um abraço!

    ResponderExcluir

Saber o que acha é um prazer,obrigada por sua opinião!