segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

O poema

Um poema como um gole d’agua bebido no escuro.
Como um pobre animal palpitando ferido.
Como pequenina moeda de prata perdida para sempre na
                                                                         [floresta noturna.
Um poema sem outra angústia que a sua misteriosa condição
                                                                                   [de poema.
Triste.
Solitário.
Único.
Ferido de mortal beleza.

Mário Quintana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Saber o que acha é um prazer,obrigada por sua opinião!